Fluxo de caixa: 8 dicas para o seu negócio

O fluxo de caixa é como uma ferramenta e permite o acompanhamento de entradas e saídas de dinheiro do caixa de uma empresa. Veja mais!

mulher cuidando do fluxo de caixa da empresa

O fluxo de caixa é uma ferramenta que permite acompanhar o movimento de entradas e saídas de dinheiro do caixa de uma companhia. Ele pode ser feito em um simples caderno, excel ou softwares mais avançados, que facilitam os registros e tomadas de decisões. 

Além de garantir o controle das finanças de uma empresa, o fluxo de caixa desempenha um papel essencial na identificação e no gerenciamento de riscos financeiros. 

Na prática, o seu negócio pode identificar períodos de fluxo de caixa negativo ou insuficiente, o que ajuda a evitar problemas de liquidez e crises financeiras. 

Ademais, ele monitora e controla os pagamentos de dívidas, evitando atrasos e possíveis penalidades. 

Como consequência, você passa a ter uma visão mais clara do fluxo de caixa e evita o temido risco de falência, que acomete três em cada 10 MEI no Brasil. 

Dados divulgados pela Sobrevivência de Empresas (2020), realizada pelo Sebrae, revelam que a taxa de mortalidade do MEI é de 29%, após cinco anos de existência. 

A fatia das microempresas, por sua vez, representa 21,6%, enquanto as de pequeno porte, alcança 17%. A falta de planejamento é um dos principais motivos desse cenário, o que poderia ser evitado com o auxílio do fluxo de caixa. 

Você também pode se interessar por: Gestão de contas a receber: Dicas essenciais

Exemplo de fluxo de caixa 

Suponhamos que uma determinada semana João decidiu oferecer descontos especiais para seus clientes. Isso trouxe 25% a mais do retorno previsto, alcançando um faturamento de R$ 72 mil. 

Contudo, ao registrar as receitas e as despesas da campanha, ele descobriu que a promoção aumentou seus gastos e, somando todos os valores envolvidos, encontrou um custo total de R$ 70 mil. 

Nesse contexto, pode-se dizer que o fluxo de caixa trouxe um balde de água fria na comemoração de João. 

A princípio, ele ficou bastante feliz com, entretanto, o empresário não contava com as falhas na estratégia que quase deixaram o saldo negativo. 

Com esse exemplo, fica evidente que o fluxo de caixa pode, em diversos motivos, ajudar o empreendedor a pensar fora da caixa e evitar notícias ruins. 

É essencial que você compreenda que ele não é o vilão da história. Na verdade, trata-se do melhor amigo que valoriza a prudência. A ferramenta, por sua vez, mostra somente os resultados de suas estratégias financeiras. 

O que é o fluxo de caixa? 

O fluxo de caixa é uma ferramenta que ajuda a prever períodos de baixo investimento, orienta como e quando expandir sua empresa, facilita uma boa alavancagem financeira e contribui para a construção de dados sólidos para o seu negócio. 

Prevê períodos de baixo movimentação 

Ao ter um acompanhamento contínuo das operações da sua empresa, você prevê períodos de baixo movimento com antecedência. E assim, criar planos de ações para recuperar os números e manter as contas no azul. 

Contribui para a expansão do negócio 

Esse é um dos principais benefícios do fluxo de caixa. Afinal, você não compreende apenas quanto capital extra tem disponível, mas como usá-lo no dia a dia. 

Parte pode ser encaminhada, por exemplo, para situações de emergências, enquanto o outro lado, deve ser guardado em sua conta PJ. 

Mas a partir dessa análise em que você percebe que tem um dinheiro a mais, fica mais fácil descobrir quando e onde aplicar para inovar ou melhorar os resultados do seu negócio. 

Aumenta a reputação com o mercado 

O controle da gestão financeira é uma maneira de comprovar que você tem capacidade para pagar seus empréstimos e que o seu negócio obtém uma boa reputação no mercado.  

Esses, aliás, são fatores vitais para empresários que precisam de novas injeções de dinheiro para comprar maquinário, fazer contratações ou abrir uma outra filial da companhia. 

Melhora a tomada de decisão 

Gerenciar o caixa facilita que você entenda o que entra, o que sai e para onde vai as finanças do seu negócio. E, caso perceba alguma irregularidade, pode reduzir custos e aplicações até que o cenário se organize novamente.  

Descomplica a relação com o seu dinheiro 

Um levantamento da Provu, compartilhado pelo jornal Estadão, descobriu que 93,8% dos brasileiros sofrem com estresse financeiro. Se esse é o seu caso, recomenda-se iniciar o controle de caixa o quanto antes. 

Dessa maneira, você se sente mais confiante para encarar novos desafios e tem mais liberdade para tentar alguma ação diferenciada que necessite de investimentos. 

Você também pode se interessar por: Cobrança B2B: Como funciona e quais os desafios?

Quais são os tipos de fluxo de caixa? 

Existem vários tipos de fluxo de caixa, cada um contém um objetivo específico. E, quando se escolhe determinado modelo, você entende com mais clareza aspectos diferentes da saúde financeira do seu empreendimento.  

Fluxo de caixa operacional 

Trata-se do modelo mais básico da nossa lista. Aqui, você deve registrar as receitas (dinheiro que entra) e despesas (o que sai) do negócio em um determinado período. 

A ideia é deixar transparente os resultados da companhia e a variação do capital de giro. Dito de outra forma, a diferença entre o capital disponível em caixa e a soma das despesas. Esse cenário permite que você entenda quais custos podem ser cortados. 

É importante destacar que os investimentos e a demanda de capital não são calculados no fluxo operacional. 

Quer saber mais? Dê o play no vídeo abaixo e assista:

Fluxo de caixa direto 

O fluxo de caixa direto, por sua vez, registra todos os recebimentos e pagamentos que advém das operações executadas pela empresa. Nesse modelo, os descontos não são calculados. 

A proposta é somente garantir que os dados do caixa fiquem sempre disponíveis. Por isso, é natural serem controlados todos os dias. 

O segredo para ter um controle mais eficaz é separar por categorias tudo o que foi recebido e pago. Alguns exemplos são:

  • Gastos com pessoal;
  • Aquisição de mercadorias;
  • Despesas com manutenção. 

Fluxo de caixa indireto 

Já o controle de caixa indireto, reúne as informações contábeis de um negócio. E, ao contrário do modelo anterior, ele não calcula as entradas e saídas do caixa. 

Ele procura compreender a performance econômica de acordo com o regime de competência. Nele, leva-se em consideração os lucros e prejuízos revelados no 

Balanço Patrimonial e no Demonstrativo de Resultado do Exercício (DRE). 

Fluxo de caixa projetado 

Como o próprio nome sugere, refere-se a uma projeção. Ou seja: com base nos lançamentos aplicados, você consegue estruturar as ações futuras do empreendimento de acordo com os resultados. 

Fluxo de caixa livre 

Também conhecido como fluxo de caixa final, este modelo calcula o quanto um negócio consegue gerar de capital em curto, médio e longo prazos. 

Neste formato, você descobre o saldo que existe após o desconto do pagamento do serviço da dívida ou o recebimento de novos empréstimos. 

Para quem o fluxo de caixa é indicado? 

O fluxo de caixa é vital para companhias de todos os segmentos, desde pequenos negócios até grandes empresas. Os empreendedores individuais, que trabalham como revendedores ou qualquer outro tipo de negócio, também precisam ter cuidado com essa questão, pois ela garante a estabilidade financeira e o crescimento sustentável do seu empreendimento. 

E como fazer fluxo de caixa? Confira o passo a passo:

Siga o passo a passo a seguir para organizar o seu fluxo de caixa: 

1- Organize os dados da sua empresa 

O primeiro passo para fazer um fluxo de caixa é organizar as informações. Assim, você consegue ter uma visão mais clara sobre seu negócio. Deixe tudo que for movimentado bem escrito. Os dados mais importantes são:

  • Recebimentos;
  • Contas;
  • Salários;
  • Fornecedores;
  • Comissões; 
  • Empréstimos. 

Para isso, você pode contar com o apoio da tecnologia e usar um programa de fluxo de caixa. Ai vai algumas opções:

  • Bkper: software de fluxo de caixa que facilita o controle das finanças, o lançamento de contas, envio de arquivos em anexo o acompanhamento de dados sobre o desenvolvimento da companhia; 
  • SIS Controle: traz funcionalidades completas para pequenos e médios empresários, como relatório com movimentação de caixa, monitoramento de performance, gráficos financeiros e controle de valores recebidos; 
  • RP Controle Financeiro: é uma opção mais simples, uma vez que se adapta às necessidades dos empresários; 
  • Hábil Empresarial: esse programa de fluxo de caixa facilita o registro diário de entradas e saídas, contas a pagar e outros dados que influenciam diretamente no controle financeiro da empresa. 

2- Crie uma rotina de registros

Uma vez que você já conhece a importância de registrar os dados e como deixá-los organizados, é hora de criar uma rotina de registros para evitar brechas ao longo do percurso. Embora não exista um padrão para todos os negócios, recomenda-se o seguinte cronograma: 

  • Diário: registre os gastos do dia anterior, os pagamentos que devem ser efetuados, fotos, contratos e todos os documentos que são essenciais para a empresa; 
  • Semanal: certifique-se de que as operações da semana anterior estão em dia e prepare para o restante do mês; 
  • Mensal: analise os dados coletados, identificando os pontos mais fracos do planejamento. 

3- Implemente um planejamento financeiro eficaz 

Apesar do monitoramento de entradas e saídas ser importante, isso por si só não garante uma gestão de qualidade. Com o auxílio de um fluxo de caixa estruturado, você deve ser capaz de fazer projeções para a companhia. 

Como consequência, você entende o que pode ser ajustado ou aproveitado nos próximos meses. 

Podemos concluir, portanto, que o fluxo de caixa é um instrumento para entender o que a sua companhia já fez, quais foram os períodos de alta e queda e o que deve vir pela frente. 

Isso faz com que as necessidades da organização fiquem mais evidentes e você ganha autonomia para traçar novas metas e objetivos. 

4- Avalie seu capital de giro com cuidado 

O capital de giro é a quantia necessária para que a empresa opere de forma saudável, permitindo o pagamento das contas em dia. Caso você tenha dificuldades de administrar este valor, provavelmente, o seu fluxo de caixa está desorganizado. 

Tendo isso em mente, procure descobrir o real motivo dessa falta de controle financeiro. Algumas reflexões podem te ajudar neste processo. São elas:

  • As despesas estão altas? 
  • Os valores que você precifica estão abaixo do mercado? 
  • Houve algum fato que impactou no seu faturamento? 

Posteriormente, você deve pensar em soluções para controlar as finanças. Uma boa saída, como vimos acima, é registrar as movimentações financeiras. A partir daí, você pode chegar a duas conclusões:

  • Capital de giro baixo: trabalhe suas margens ou corte gastos desnecessários;
  • Capital de giro elevado: permite que você avalie novos investimentos. 

5- Tenha uma visão realista 

Ao falar de finanças, procure manter os pés no chão. É claro que você deseja conquistar o lugar mais alto do pódio com a sua empresa, entretanto o excesso de otimismo em relação às contas pode ser arriscado. 

O segredo para analisar o fluxo de caixa e planejar os resultados futuros é não incluir lucros muito grandes. Outra dica é desenhar vários cenários, desde os mais otimistas até os medianos e pessimistas. Dessa maneira, você evita investir além do que deve entrar em caixa. 

6- Use modelos de planilhas no excel

Existem algumas empresas que disponibilizam várias planilhas de fluxo de caixa para os seus leitores. Escolha um modelo e utilize como base.

7- Otimize seus conhecimentos com cursos de fluxo de caixa 

Lidar com controle financeiro exige o conhecimento de vários termos, entre eles: patrimônio líquido; margem de contribuição; juros; certificado digital e nota fiscal eletrônica. 

Por isso, é importante que você busque cursos de fluxo de caixa para que esses especialistas mostrem os melhores caminhos. 

Uma dica interessante é o curso de gestão de fluxo de caixa, ministrado por Bruce Duarte, economista (UFSC), especialista em finanças (FGV), professor e consultor de empresas há mais de 10 anos.

Seu conteúdo programático aborda desde conceitos fundamentais, passando por análises, diagrama de Gitman, natureza das operações, entre outros conteúdos. 

8- Invista em uma consultoria financeira 

Uma consultoria financeira ajuda a controlar as finanças, projetar as receitas e despesas futuras, além de definir a necessidade de capital de giro para o seu negócio. 

Tudo certo com o fluxo de caixa? 

De maneira resumida, o fluxo de caixa é um ferramenta indispensável para a gestão de qualquer tipo de negócio, seja de pequeno, médio ou grande porte. Afinal, ele centraliza os dados de entrada e saída de dinheiro, o que permite tomar decisões mais estratégicas. 

Em paralelo, ele fornece informações vitais sobre a liquidez do negócio, sua capacidade de pagamento de dívidas, a lucratividade e saúde financeira de modo geral. 

Ao analisar os dados financeiros, você identifica as oportunidades de investimentos, melhora o trabalho da equipe e cria ações inteligentes para otimizar a saúde financeira do seu negócio. 

O próximo passo, agora, é analisar as informações acima, registrar os dados da empresa e otimizar as finanças da sua companhia. 

Preparado?

Gostou do texto? Então deixe um comentário e não esqueça de acompanhar os próximos posts do blog! Compartilhe com seus amigos!

Ícone Facebook Ícone Twitter Ícone LinkedIn Ícone WhatsApp
Escrito por

Especialista em marketing, redatora de conteúdos financeiros, fã de Taylor Swift e apaixonada por boas histórias.

Deixe seu comentário

Talvez você goste também

Transformação digital
Ícone Relógio 4 min de leitura

A transformação digital nos meios de cobrança

Ler Mais
O que é renda fixa
Ícone Relógio 5 min de leitura

O que é fundo de renda fixa?

Ler Mais
cobrança de dívida
Ícone Relógio 5 min de leitura

Como realizar a cobrança de uma dívida?

Ler Mais
Newsletter
↑