Por que o endividamento está tão alto?

Confira a seguir mais informações sobre o aumento do endividamento e suas consequências econômicas.

alto endividamento

O endividamento dos brasileiros atinge a maior parte da população, e a inadimplência está em níveis elevados. Segundo dados divulgados pelo Serasa em Abril de 2023, cerca de 71 milhões de brasileiros estavam em estado de inadimplência.

O percentual de famílias com dívidas a vencer aumentou 0,2 ponto porcentual em junho, chegando a 78,5% das famílias no país. Desse total, 18,5% se considevam muito endividados, maior volume da série histórica, iniciada em janeiro de 2010, informou a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), apurada mensalmente pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Alto endividamento no Brasil

O endividamento alto é registrado em um contexto de baixa tração econômica, inflação alta e renda baixa. Para as famílias, a situação pode significar ter de abrir mão de parte do consumo para pagar as dívidas.

O endividamento pode ser causado por diversos fatores, como a falta de planejamento financeiro, a necessidade de comprar bens de consumo caros, a perda de emprego ou a queda da renda. Quando as pessoas não conseguem pagar suas dívidas, podem entrar em situação de inadimplência, o que pode ter consequências negativas para sua vida financeira, como a perda do emprego e restrição de crédito. Confira alguns motivos a seguir:

Taxas de juros elevadas

Historicamente, o Brasil tem enfrentado taxas de juros altas, o que torna o custo do crédito mais oneroso para empresas e indivíduos. Isso pode levar ao endividamento, uma vez que o pagamento de juros mais altos dificulta a capacidade de pagar dívidas e reduz a disponibilidade de recursos para investimentos.

Crédito fácil e acesso ao consumo

Nos últimos anos, houve um aumento no acesso ao crédito no Brasil, o que estimulou o consumo. A facilidade em obter empréstimos e o incentivo ao consumo levaram pessoas a se endividarem para adquirir bens de consumo, como veículos, imóveis e eletrodomésticos.

Você já conhece o protesto de títulos? Entre em contato com um de nossos especialistas pelo WhatsApp clicando nesse link!

O que significa inadimplência?

Inadimplência significa não pagar contas dentro do prazo estabelecido.

Quando isso acontece, multas e juros são acrescidos ao valor original da dívida, o que torna o total a ser pago ainda maior, e dificulta o pagamento.

Endividamento e inadimplência não são a mesma coisa. A inadimplência acontece quando a pessoa não respeita o prazo determinado para pagar uma dívida. Se alguém não quita a fatura do cartão a tempo, por exemplo, torna-se inadimplente. O mesmo vale para quem deixa de pagar as contas ou boletos no prazo.

Apenas no mês de maio de 2023, 463 mil pessoas tiveram o nome negativado e passaram a constar na lista de inadimplentes. Em relação a abril, a alta foi de 0,65%.

Quais medidas para evitar o endividamento?

Existem algumas medidas que as pessoas podem tomar para evitar o endividamento, como:

  • Planejar suas finanças e criar um orçamento;
  • Evitar comprar bens de consumo caros que não são essenciais;
  • Ter um fundo de emergência para imprevistos;
  • Fazer um seguro desemprego;
  • Evitar usar o crédito para pagar dívidas existentes;
  • Negociar com seus credores para reduzir ou adiar as dívidas.

Se você já está endividado, existem algumas medidas que você pode tomar para sair da dívida, como:

  • Fazer um orçamento e cortar gastos desnecessários;
  • Negociar com seus credores para reduzir ou adiar as dívidas;
  • Vender bens que não são essenciais;
  • Ter um emprego extra;
  • Solicitar ajuda profissional de um planejador financeiro ou de um advogado.

O endividamento pode ser uma situação difícil, mas é possível sair da dívida com planejamento, esforço e determinação.

Você também pode se interessar por: Protesto em cartório: caduca ou não?

Qual o maior vilão das dívidas?

A maior parte das dívidas em atraso estão nos bancos, e o grande vilão é o cartão de crédito, com taxas de juros que na média chegam a 455% ao ano. Bancos e cartões concentram praticamente um terço das dívidas (31,94%). Em seguida vêm as contas básicas, como água, luz e gás (21,45%) e depois o varejo (11,31%).

É importante ressaltar que o endividamento em si não é necessariamente negativo. Ele pode impulsionar o crescimento econômico, incentivar o investimento e ajudar as pessoas a lidar com desafios financeiros temporários. No entanto, é fundamental que o endividamento seja gerenciado de forma responsável e sustentável, evitando-se excessos que possam levar a problemas financeiros no futuro.

Quer saber mais? Acompanhe nosso blog e fique por dentro das notícias e novidades! Se tiver alguma dúvida ou sugestão, escreva nos comentários.

Gostou? Compartilhe com seus amigos!

Ícone Facebook Ícone Twitter Ícone LinkedIn Ícone WhatsApp
Escrito por

Especialista em marketing, redatora de conteúdos financeiros, fã de Taylor Swift e apaixonada por boas histórias.

Deixe seu comentário

Talvez você goste também

como cobrar alguém
Ícone Relógio 7 min de leitura

Como cobrar alguém?

Ler Mais
assessoria de cobrança
Ícone Relógio 5 min de leitura

Como funciona uma assessoria de cobrança?

Ler Mais
atendente fazendo cobrança de nota promissória
Ícone Relógio 6 min de leitura

Cobrança de Nota Promissória: Como e o que fazer?

Ler Mais
Newsletter
↑